O presidente Costa e Silva, no dia 04 de dezembro de 1968, sancionou a Lei 5.550 que dispõe sobre o exercício da profissão de Zootecnista. Todavia, o primeiro curso de Zootecnia no Brasil foi criado dois anos antes, precisamente no dia 13 de maio de 1966, na Pontifícia Universidade Católica de Uruguaiana no Rio Grande do Sul. Ao longo dos anos, foram surgindo vários cursos de Zootecnia no Brasil, e hoje, segundo dados do INEP através da “Sinopse Estatística da Educação – 2017” o Brasil possui 89 Instituições de Ensino Superior (69 públicas e 20 privadas) que oferecem 112 cursos (92 na IES públicas e 20 privadas), totalizando mais de 19.000 matriculas. Sendo estes cursos devidamente chancelados pelo Ministério da Educação.

Nestes 50 anos da Zootecnia no Brasil, o agronegócio avançou, colocando o país numa condição de destaque na produção de alimentos no mundo, e sem sombra de dúvidas, o profissional Zootecnista tem papel fundamental na produção de produtos de origem animal. Tendo em vista que este profissional atua na produção animal em todos os seus ramos e aspectos, de acordo com a Alínea a da Lei 5.550/1968, alínea "a". Esta atuação passa por diversas áreas do conhecimento, baseado nas diretrizes curriculares, descritas na Resolução Nº 4, de 2 de fevereiro de 2006 (CNE – MEC), que aponta as competências e habilidades mínimas dos zootecnistas. O que permite a este profissional atuar com diferentes espécies animais, visando ao aumento de sua produtividade e ao bem-estar animal, suprindo suas exigências, com equilíbrio fisiológico, responsabilizando-se pela eficiência nutricional das dietas e rações, técnicas de criação, transporte, manipulação e abate dos animais, com vistas ao desenvolvimento de produtos de origem animal, buscando qualidade, segurança alimentar e economia, assim como executar e elaborar projetos de construções rurais e/ou produção de pastos e forrageiras e de controle ambiental. Passando pela condução de pesquisas e elaboração de formas mais adequadas de utilização dos animais silvestres e exóticos e também de animais de companhia, esporte e lazer.

O Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), do qual o zootecnista faz parte, define este profissional como aquele que “atua nas mais variadas fases da produção animal, trabalhando com rebanhos e na garantia da segurança alimentar e do Bem-estar animal.” Ainda de acordo com o CFMV “A Zootecnia abrange um conjunto de atividades e habilidades para desenvolver, promover e controlar a produção e a produtividade dos animais úteis ao homem, assim como as tecnologias dos produtos de origem animal. Tem, portanto, grande importância para as áreas socioeconômica e para o desenvolvimento do agronegócio.”“Por isso, a atividade do Zootecnista deve levar em conta a importância da gestão e do empreendedorismo, já que o profissional lida com aspectos administrativos e econômicos da produção.”

Desta forma, mais uma vez o Conselho Regional de Medicina Veterinária do Distrito Federal, congratula-se com esta importante categoria profissional, desejando que mais 50 anos se apresentem para o bem estar animal, colaborando com o estabelecimento de manejos adequados para todas as espécies animais, aumento da produção de alimentos seguros e a consequente ratificação do Brasil no agronegócio mundial.

Diretoria Executiva e Corpo de Conselheiros do CRMV-DF