Quem não quer ter o seu bichinho de estimação bem cuidado, não é mesmo? Acho que esta é uma preocupação de todo tutor de animais domésticos. Mas o CRMV-DF também se preocupa com o bem-estar dos pequenos companheiros e trabalha constantemente para a oferta de serviços prestados as famílias. Na manhã desta quarta-feira (27/fev) o presidente do CRMV-DF, Laurício Monteiro Cruz, junto ao Vice-Presidente, Saulo Borges Lustosa, Secretária-Geral, Waleska Coelho Sajnovisch Gouveia e a presidente da Câmara Técnica de Educação do CRMV-DF, Marina Zimmermann Galvão, visitaram o presidente do CFMV, Francisco Cavalcanti de Almeida para apresentar uma proposta de a acreditação de cursos de auxiliar veterinário.

A ideia da Câmara Técnica de Educação, representada por Marina é publicar um resolução em nível regional sob a vertente da acreditação de curso de ensino superior que já existe e é feita pelo CFMV. Desta forma, no Distrito Federal o Médico Veterinário saberá que o profissional que contratou para auxiliá-lo tem formação de qualidade o que lhe garantirá um bom auxílio no seu dia-a-dia de trabalho. Por outro lado terá um tutor satisfeito com o serviço prestado.

Segundo Marina, o CRMV-DF é pioneiro ao publicar uma Resolução sobre os critérios desta acreditação e que atenderá o Distrito Federal. “A acreditação é uma forma de nós chancelarmos o curso como um selo que este curso vai ter, como se fosse um selo de qualidade, dizendo que o conselho aprova este curso, que ele está sob todas as leis e regulamentos do sistema CFMV/CRMVs”. Ela esclarece que toda a sociedade ganha, já que o objetivo é aperfeiçoar o serviço Médico Veterinário como um todo e complementa. “É importante ficar claro para a sociedade que o Médico Veterinário deve dar o diagnóstico, dar todas as coordenadas de um atendimento e agora poderá ter um auxiliar que será capaz tecnicamente de executar o tratamento. Por exemplo, dar uma medicação, de verificar se o animal está bem. Assim como já acontece na Medicina Humana”.

O presidente do CFMV, Francisco Cavalcanti de Almeida, recebeu a proposta com boa expectativa. “Eu gostei da ideia, estão de parabéns. Eu acredito que desta forma os cursos de formação serão atraídos para o registro e a acreditação”, afirmou. Ele informou também que trabalha em uma resolução que irá definir o que é o auxiliar veterinário e quais as características que o curso para formação deste profissional deverá ter.

Já o presidente do CRMV-DF, Laurício Monteiro Cruz, esclarece um curso com acreditação e que tenha uma boa estruturação, que delimite o alcance do seu trabalho, poderá até diminuir os casos de processos éticos. “Se o Médico Veterinário é bem auxiliado, cercado de profissionais bem formadas, os erros em procedimentos também tendem a cair.” Os erros ocasionados dentro de um estabelecimento recai sobre o seu Responsável Técnico.

A acreditação também traz as atuais instituições de ensino que oferecem os cursos, para a legalidade, limitando a área de trabalho de cada profissional, sempre zelando pelas atribuições privativas do Médico Veterinário.

Assessoria de Comunicação Social do CRMV-DF

27 de fevereiro de 2019