A Febre Aftosa é uma doença que está sempre na mira dos profissionais que trabalham no campo e os governos Estaduais e Federal trabalham constantemente para controlar a doença. O próximo objetivo é conquistar o Status de “País livre de Aftosa, sem vacinação”. E com este objetivo a Secretaria de Agricultura do DF – SEAGRI-DF realizado o I Fórum Distrital de Febre Aftosa e Doenças Vesiculares, na manhã desta quinta-feira (11/abr), no auditório do Centro Universitário de Brasília – UniCEUB. O presidente do CRMV-DF, o Médico Veterinário, Laurício Monteiro Cruz representou a entidade no evento que contou com a presença do Secretário de Estado de Agricultura do DF, o Zootecnista, Dilson Rezende de Almeida.

O evento realizado pela Secretaria de Agricultura do DF, contou com apoio da EMATER-DF, Banco Regional de Brasília – BRB e UniCEUB.Também participaram do encontro o representante do UniCEUB, Diretor Acadêmico Carlos Alberto Cruz, os coordenadores dos cursos de Medicina Veterinária do UniCEUB, Carlos Alberto da Cruz Júnior, da Uniceplac, Daniella Ribeiro Guimarães e UniCESP, Luiz Gustavo Florêncio.

mesa febre aftosa

O presidente do CRMV-DF, na abertura do evento exaltou a importância de discutir a Febre Aftosa, que é de interesse de todo o país. “Hoje nós estamos fazendo este primeiro fórum, de muitos que ainda virão” afirmou Laurício considerando a amplitude do assunto que visa colaborar com o controle da doença em rebanhos de todo o país.

Já o Secretário de Estado de Agricultura, Dilson Resende de Almeida, confirmou o papel estratégico de Brasília, no controle da doença. “O consumo de carne na cidade é bastante alto e por se tratar da Capital Federal, temos a obrigação de servir de referência”. Ele explicou que o rebanho do Distrito Federal é de aproximadamente 92 mil animais, entre bovinos e bubalinos, número pequeno em relação a outros estados, mas o controle deve ser feito, igualmente em todo o país. Caso contrário os esforções não atingem seus objetivos.

Hoje, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA coordena o plano nacional de Erradicação de Febre Aftosa – PNEFA tem como estratégia principal a manutenção de zonas livres da doença, de acordo com as diretrizes estabelecidas pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). Hoje o país é considerado “livre de aftosa” com vacinação. Com a estratégia nacional que se iniciou em 2017, tem o objetivo de conquistar o status de país “livre da aftosa” sem vacinação. Há 11 anos sem registro da doença no país, segundo o MAPA.

Assessoria de Comunicação Social do CRMV-DF