Representantes das Câmaras Técnicas de Educação e a de Bem-Estar Animal do CRMV-DF se reuniram na manhã desta sexta-feira (08/nov), no auditório da entidade para discutir as novas Diretrizes Curriculares do curso de Medicina Veterinária, publicada em agosto deste ano. As instituições de ensino têm 2 anos para se adaptarem as novas exigências.

ct bemestar edu

O encontro foi sugerido pela Câmara Técnica de Bem-Estar animal que busca permear a consciência de boas práticas em Bem-Estar Animal em todas as disciplinas da formação do Médico Veterinário, de forma transversal e não em disciplina separada. A professora Marina Zimmerman, da Câmara Técnica de Educação, defende a iniciativa e propõe que a ideia deva ser disseminada entre os docentes.

Ao final da reunião ficou combinado que as câmaras se reunirem novamente, mas com a participação de docentes responsáveis por pensar a matriz curricular de cada instituição de ensino. “Nós temos que fazer que o bem-estar animal seja transdisciplinar, ou seja, que a gente consiga ensinar o bem-estar animal nas disciplinas de clínica, na de cirurgia, na inspeção, na semiologia, na saúde única, ou seja, que o aluno consiga entender que ele precisa carregar o bem-estar animal em todas as disciplinas para ele se tornar um profissional completo.” Segundo a professora, a importância de envolver os professores na aplicação destas novas diretrizes se fazem necessárias para criar um trabalho mais integrado, de forma uníssona entre as instituições de ensino.

Ainda em novembro o grupo pretende reunir os membros das Comissões de Ética no Uso de Animais das entidades de ensino para abrir a discussão sobre ideias e proposições e possivelmente criar algum material de apoio e consulta para os professores.

Assessoria de Comunicação Social do CRMV-DF