Muito se tem falado sobre bem estar, seja físico, mental ou até mesmo social. Nas redes sociais, reportagens de TVs, de revista, seja qual for o meio de comunicação, nós podemos aprender várias maneiras de alcançar o equilíbrio para viver bem. E o Médico-Veterinário e o Zootecnista são profissionais que estão ligados diretamente ao bem-estar humano, animal e também ambiental e em vários momentos, esta responsabilidade pesa em seus ombros.

A importância do assunto é tamanha, não só para o Médico-Veterinário e para o Zootecnista, que ganhou um mês para refletir o assunto. É o Janeiro Branco, dedicado a conscientização para a saúde mental e emocional. Para falar sobre o assunto, conversamos com o psiquiatra Alexandre Rosenwald do Instituto de Neurociência de Brasília para esclarecer os principais motivos que ocasionam o desequilíbrio entre o corpo, mente, emoções e as relações sociais humanas.

Segundo Dr Rosenwald, as ideias e as emoções são a parte mais importante do ser humano, é a partir dela que podemos nos reconhecer e as demais pessoas ao redor, já que somos o único ser que tem essa capacidade, entre os animais. “Todos os demais animais estão preocupados em sobreviver e reproduzir. O ser humano não, ele tem a capacidade de antecipar situações, ele tem ideais, ele tem medos, ressentimentos, raiva, alegria e ele é capaz de, mesmo na falta de problemas reais, ficar estressado com problemas virtuais, que não existem no momento, como: medo de ser assaltado, de ficar desempregado, da morte, de ficar pobre, ficar louco. Tudo isso porque ele tem uma alma, o que o difere dos outros animais.”

Ele explica que atualmente o ser humano é muito afetado pelo estresse, principalmente profissionais da área de saúde que entram em um estado de exaustão mental, que deriva da pressão e da responsabilidade que eles detêm e que não conseguem administrar. O Médico-Veterinário e o Zootecnista não estão sozinhos, junto a eles, outros profissionais também passam por situação parecida, como pessoas que trabalham no sistema penitenciário, em entidades de assistência social.

No caso do Médico-Veterinário, ele trabalha com animais de estimação que são tratados como filhos, membros da família, portanto a pressão e bastante grande sobre eles. Mas este não é o único motivo que pode fazer com que esses profissionais desenvolvam uma depressão. Um fator muito importante é o trabalho.

É comum que profissionais atinjam um alto grau de cansaço por conta de excesso de trabalho. Alguns profissionais acumulam plantões e vão desenvolvendo uma estafa, um cansaço físico e mental que muitas das vezes acabam atingindo a capacidade de concentração e até mesmo de desenvolver suas atividades laborais. Dr Alexandre pontua as consequências da exaustão do trabalho. “Essas pessoas que trabalham muito, através de vários plantões, elas vão desenvolvendo estafa, cansaço físico e mental que acaba com a força de vontade, começam a desenvolver um estado de negatividade, que afeta a sua concentração, sua atenção, sua memória” E conclui com um exemplo da sua área de trabalho. “É como um médico que gosta muito do que faz, mas depois de acumular 2 ou 3 plantões, ele vai querer atender seus pacientes com rapidez e sem a atenção devida.” O médico explica que Isso acontece porque o profissional, as vezes, não dormiu direito, não se alimentou, etc.

Essas pessoas ficam com o seu humor alterado e podem entrar em depressão, isolamento e outras coisas piores. “Pessoas que trabalham em 2 ou 3 empregos estão muito acometidos a este tipo de síndrome (Burnout), que atinge primeiro o mental, mas termina somatizando o físico também.

Como evitar

Dr Alexandre explica que as pessoas esqueceram de dar pausas nas suas vidas, precisam não só de trabalhar, estudar, mas precisam também de ter contato com a natureza, cuidar da família, da sua espiritualidade. “Se a pessoa não se preserva, não dá as pausas necessárias, não tira férias, ela não repõe a energia que perdeu. Pode entrar numa situação que é muito competitiva e ter alterações comportamentais. Essas pessoas que chegam no serviço reclamando de tudo, até mesmo do café ou do pão com manteiga, essas pessoas estão doentes. Esse quadro pode virar uma crise de pânico, um estresse pós traumático, uma depressão grave e algumas vezes pode evoluir até para um suicídio.”. Esclarece o psiquiatra.

A insanidade mental, consequência da pressão do trabalho, pode desencadear várias patologias, além da conhecida Síndrome de Burnout. “Às vezes a pessoa desenvolve um distúrbio de atenção, uma dislexia ou uma série de coisas a partir, do esgotamento, da estafa”. Alexandre explica que muitas profissões, como as da área de saúde e também da área de educação, segurança pública, podem levar a estava e a Burnout, por fim, fazer com que as pessoas entrem em depressão grave. “O profissional que mexe com vidas, sejam humanas, sejam animais, ele tem uma responsabilidade muito grande e isso afeta a saúde mental dessas pessoas.”

O Diagnóstico

O diagnóstico é feito por profissionais a partir de entrevistas, para conhecer da sua vida. Até porque o estresse podem ser de vários tipos, oriundos de coisas que acontecem em seu meio profissional, outros na vida pessoal, relacionamentos, família, amigos. Mas o mais importante é que todos tenham a consciência da importância de cuidar da saúde do corpo, mas também deve se atentar com a saúde da mente. “As pessoas andam muito preocupadas com a saúde física, mas esquecem que a saúde psíquica é tão ou mais importante e que uma não vive sem a outra. Uma impacta a outra.” Pontua o psiquiatra.

Quando a pessoa percebe que deixa de fazer coisas que gosta, por desânimo é importante acender a “luz de alerta”, como cinema, se reunir com amigos, ir ao clube, estes e outros aspectos podem ser sinais de pessoas que estão sendo afetadas por depressão. Segundo Alexandre, existem vários questionários que devem ser aplicados por profissionais, como psicólogos ou psiquiatras para identificar a situação de cada pessoal. O importante é que a pessoa que não tem se sentido bem, procure um profissional para averiguar a sua situação. Não deixe para depois. Você pode perder muitos anos de sua vida, com qualidade, por negligenciar a sua saúde psíquica.

Currículo do Dr Alexandre Rosenwald

Alexandre Rosenwald é Psiquiatra do Tribunal de Justiça do DF, é graduado em Medicina pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro – UERJ, fez Residência Médica em Clínica Médica e Psiquiatria pelo Hospital Naval Marcílio Dias-RJ e também é Médico Psiquiatra Analista Judiciário do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios. Também fez cursos cursos, na China, Israel e França.

dr alexandre

 

Assessoria de Comunicação Social do CRMV-DF

28 de janeiro de 2020