Existe uma grande quantidade de aves produzidas no país, muitas delas são comercializadas por aqui, outras são exportadas, entre elas perus, codornas, marrecos, frangos, entre outros. Aqui no Brasil o mais consumido é o Frango, não só nas festas de fim de ano, mas também ao longo de todo o ano.

Este frango consumido no foi desenvolvido a partir de cruzamentos genéticos até a obtenção de uma raça com tamanho adequado para as preferências do mercado nacional, que pesa em média 2 a 3 quilos e atende uma refeição para uma família de 4 a 5 pessoas. Conforme as demandas e os mercados, novos cruzamentos são feitos. Mas quando chega o fim do ano, outros produtos costumam ser mais procurados, como perus e aves natalinas.

Aves natalinas não recebem hormônios

Algumas delas são mais conhecidas e outras menos. Para entender melhor como elas são criadas, conversamos com o Zootecnista Frederico Lopes da Silva, mestre em saúde animal e doutorando também em saúde animal. “Estas aves são frangos com um trabalho de melhoramento genético, ou seja, cruzamento de raças que trazem características desejadas pelo mercado, como por exemplo grande volume de peito e coxas.” Explica Frederico.

 

 Frederico ZootecnistaZootecnista Frerederico Lopes da Silva

Ele explica também que, ao conseguir o animal desejado, esse animal é reproduzido em larga escala, principalmente em algumas épocas do ano, como é o caso do Natal. Mas ele tranquiliza as pessoas e afirma que os animais não recebem hormônios. “Existe um mito que os animais recebem hormônios para crescer rápido. O custo seria muito alto para dar doses iguais aos animais, todos os dias em um galpão com 4 mil aves, todos os dias.”

Segundo Frederico, o desenvolvimento rápido dos animais se dá por conta de vários fatores, como o próprio melhoramento genético, além do controle do ambiente, oferta de alimentos que suprem todas as necessidades do anima. “ Todo esse trabalho feito durante a criação das aves permite o ganho de tempo e o crescimento dos animais em um tempo menos do que as galinhas criadas em quintais, por exemplo. Veja só, estas galinhas passam o dia em busca de alimentos nos terreiros. Já as aves de granja recebem tudo o que precisam o tempo todo” esclarece o zootecnista.

Evitando problemas de saúde

Apesar dos órgãos de saúde de todo o mundo pedirem as pessoas evitarem aglomerações e reuniões com muitas pessoas, ainda assim as famílias irão fazer ceias, por menores que sejam. A fartura comum a estas refeições necessita de atenção desde a hora de escolher o alimento até o preparo em sua casa.

Para evitar problemas com o consumo de alimentos de origem animal, como carnes, leites, ovos, entre tantos outros usados no preparo de alimentos, o médico veterinário Daniel Sartori Buso, ex-servidor da Secretaria de Agricultura do DF, explica a importância de observar alguns critérios e dá algumas dicas. “Na hora de comprar algum alimento cárneo sempre estar atento a data de validade. Observe também a coloração, característica de cada carne, o odor não pode ser desagradável e se houver aquela formação de limo ou ranço superficial já é indicativo de deterioração do alimento.”

Mas as dicas de Daniel não ficam por aqui, ainda tem algumas orientações quanto ao preparo que são de grande importância, como manuseio dos alimentos e dos utensílios domésticos. “Ao preparar alimentos crus, como saladas, observe sempre a correta higienização de facas e tábuas, com água e sabão, principalmente se antes os mesmos objetos tiverem sidos usados para o preparo de carnes. Quando possível separar uma tábua específica para o preparo de carnes e outra para legumes.” Ele explica também, que essas dicas podem reduzir muito o problema de contaminação cruzada, ou seja, quando um alimento pode contaminar outro, durante a sua manipulação.

Lançando mão a estes pequenos cuidados, tanto na escolha dos alimentos, quanto no preparo deles em nossas cozinhas é possível festejara com segurança e a consciência tranquila, já que existem profissionais, como médicos-veterinários e zootecnistas que trabalham desde a produção dos alimentos até a sua mesa. Afinal, a missão deles é exatamente esta: garantir a qualidade e segurança de nossos alimentos. Médicos-Veterinários e Zootecnistas também cuidam de você.

Assessoria de Comunicação Social do CRMV-DF