Notícias

O Conselho Regional de Medicina Veterinária do Distrito Federal (CRMV-DF) e o Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), como fiscalizadores do exercício da Medicina Veterinária e da Zootecnia, estiveram com o médico veterinário responsável técnico da Escola de Equitação da Hípica que se encontra dentro da Sociedade Hípica de Brasília, na tarde desta terça-feira (24), para vistoriar as condições das instalações, o espaço reservado aos animais e as práticas de manejo.

O CRMV-DF verificou as condições em que os animais se encontram no estabelecimento, inclusive o cavalo Thor utilizado em atividade pedagógica com crianças na semana passada. Foram avaliadas as condutas de manejo dos animais, como limpeza, tratamento clínico, vacinação, nutrição alimentar, acessibilidade, exercícios fora das baías e verificou-se que os indicadores de bem-estar animal estavam presentes e, preliminarmente, não foram identificados indícios de maus tratos.

Além dos dois fiscais do CRMV-DF, a vistoria também foi acompanhada pelo presidente da Câmara Técnica de Bem-Estar Animal do CRMV-DF, Jorge Caetano, e pelo presidente da Comissão Nacional de Bem-Estar Animal do CFMV, Cassio Ribeiro.

“A diligência administrativa acerca do exercício da profissão continua para vistoriar as instalações da clínica veterinária e as conclusões irão compor parecer técnico da Câmara de Bem-Estar”, explicou Caetano.

Fiscalização

O CFMV e o CRMV-DF esclarecem que existem órgãos de governo competentes que fazem a fiscalização dos estabelecimentos no que se refere a constatação de maus-tratos. No caso do Distrito Federal, que, inclusive, possui lei específica de maus tratos aos animais (nº 6.142/2018), cabe aos órgãos locais que agiram de forma célere e eficiente.

Reunidos nos últimos dois dias (17 e 18), na sede do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), em Brasília, os membros da Comissão Nacional de Responsabilidade Técnica (Conret/CFMV) conheceram a proposta que a área de Tecnologia apresentou para a implementação nacional da Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) eletrônica.

A ideia é que o próprio CFMV se encarregue de criar e implementar o sistema, a ser referendado pelos Conselhos Regionais e pela Plenária do Conselho Federal. Os membros da comissão debateram a proposta e sugeriram até um nome: Sistema de Informatização de Responsabilidade Técnica (Sirt).

Segundo o presidente da Conret, Irineu Machado Benevides Filho, foi elaborado o rascunho da resolução e do manual de uso para a ART eletrônica. A previsão é que a proposta final seja levada à Plenária do CFMV no final de 2018.

“Com um sistema nacional para a emissão de RTs, evitaremos que os Conselhos Regionais efetuem gastos desnecessários”, explica Benevides Filho.

Fonte: Assessoria de Comunicação do CFMV

A vida nos oferece dias dos mais variados e com certeza os alegres são os nossos preferidos. Entre nascimentos, aprovações em concursos e promoções no trabalho, também contamos com o dia de nossa formatura. E na última quarta-feira 4 de julho os 20 estudantes tiveram o privilégio de se tornarem Médicos Veterinários, na UniFaciplac.

A Conselheira Marina Zimmermman que também é professora na instituição representou o CRMV-DF e deu boas vindas aos profissionais. Ela ressaltou a importância da profissão para a sociedade “Nossa profissão é uma das mais importantes para o crescimento do nosso país, tendo em vista a produção de alimentos de origem animal. Vejam o quanto a nossa profissão é nobre” refletiu a conselheira.

 Faciplac Marina Faciplac1

Recentemente, o Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado do Rio de Janeiro (CRMV-RJ) comunicou ao Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) o furto do carimbo de uma médica veterinária, em um meio de transporte público. Uma situação desagradável e perigosa. Mas o que o profissional deve fazer quando sofre a perda, furto ou roubo de um documento profissional?

Perder o carimbo ou receituário aumenta o risco de falsificação de receitas e laudos que podem comprometer a credibilidade do profissional. Por isso, caso precise comunicar uma perda ou roubo, é fundamental que sejam tomadas as seguintes providências, imediatamente: registro de ocorrência na delegacia policial mais próxima e, na sequência, contato com o Conselho Regional de sua circunscrição, no qual deve ser preenchido requerimento comunicando a perda do documento e anexado o registro de ocorrência policial.

É fundamental que o comunicado ao CRMV seja realizado o mais rapidamente possível, de modo que o Sistema CFMV/CRMVs seja alertado sobre o ocorrido. Desejamos, no entanto, que os profissionais registrados em nosso Conselho nunca precisem das orientações acima.

Assessoria de Comunicação do CFMV

O Conselho Regional de Medicina Veterinária do Distrito Federal – CRMV-DF recebeu, em sua sede, na manhã desta quinta-feira (5) o senador Hélio José do PROS-DF, e o Tesoureiro do CFMV, Méd. Vet. Hélio Blume. As visitas se deram a convite do presidente do CRMV-DF, Méd. Vet. Laurício Monteiro da Cruz. Na pauta da conversa, a defesa de recursos para investimento de equipamentos para a entidade e a apresentação de projetos do parlamentar na área da Medicina Veterinária e da Zootecnia.

O presidente do CRMV-DF, Laurício Monteiro da Cruz, explicou ao parlamentar a amplitude da ação do Médico Veterinário e do Zootecnista na economia e na saúde pública, mencionando o agronegócio e a saúde única. Na ocasião, Laurício relatou a necessidade de a entidade estar bem equipada para poder prestar um bom serviço à sociedade do Distrito Federal.

O senador que compões a Comissão de Meio Ambiente defendeu a bandeira do bem-estar animal ao se referir a Medicina Veterinária e a Zootecnia. “Eu acredito que podemos estabelecer uma aliança. Quero deixar claro que as portas do meu gabinete estarão sempre abertas para receber as demandas da Medicina Veterinária e da Zootecnia, por qualquer uma das entidades aqui representadas”. Explicou o parlamentar.

Além da pauta

Alguns temas surgiram ao longo da conversa como os ligados diretamente ao exercício da profissão. Laurício explicou a necessidade de criar um Código de Bem-Estar, Saúde Pública e Meio Ambiente que envolva todos os agentes que interagem no convívio harmônico entre seres humanos e animais.

O representante do CFMV, Hélio Blume, ratificou o apontamento feito por Laurício sobre a importância do debate sobre os assuntos referentes. “Temos a intensão de trazer para Brasília o Simpósio Mundial de Saúde Única, no próximo ano. Este tema é de grande relevância para a sociedade e não envolve apenas o médico veterinário e o zootecnista, mas todo profissional que atua como agente de saúde e bem-estar” explicou o Hélio.

Participaram da reunião o vice-presidente do CRMV, Saulo Lustosa, o Secretário-Geral Roberto Gomes Carneiro, o Tesoureiro do CRMV-DF, o Zootecnista Emanoel Elzo Leal de Barros. Também estiveram no encontro a Conselheira Efetiva, Méd. Vet. Marina Zimmermann, o presidente do Sindicato dos Médicos Veterinários do Distrito Federal, Méd. Vet. Cláudio Pedra e a representante da Secretaria de Agricultura do Distrito Federal, Méd. Vet. Claudia Alessandra Gomes.

Assessoria de Comunicação Social do CRMV-DF