Notícias

O CRMV-DF recebeu na manhã desta quarta-feira (09) a visita do Secretário Nacional de Defesa Agropecuária, Luiz Eduardo Pacifici Rangel, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA, em sua sede, em Brasília. O presidente do CRMV-DF, Méd. Vet. Laurício Monteiro da Cruz recepcionou os convidados, junto a seus aos diretores, Secretário-Geral Roberto Gomes Carneiro Carneiro e o Tesoureiro Emanoel Elzo Leal de Barros.

No encontro também participaram os presidentes das Câmaras Técnicas, o Med. Vet. Cássio Ricardo Ribeiro - Bem-Estar Animal; Méd. Vet. Carlos Henrique Câmara Saquetti - Equinos; Méd. Vet. Rafael Silva de Souza - Pequenos Animais; Méd. Vet. Luiza Helena Rocha da Silva - Animais Selvagens; e Méd. Vet. Francisco Anilton Alves Araújo - Saúde Pública.

   todos2  mesa

 

Na pauta da reunião, a proposta de um trabalho interinstitucional permanente entre o CRMV-DF e a SDA/MAPA. Lauricio enfatizou a importância do trabalho em conjunto com o Sistema CFMV/CRMV e a SDA/MAPA, em prol da proteção da sociedade, da saúde animal, da conservação do meio ambiente e a valorização do médico veterinário e do zootecnista. O contexto universal da Saúde Única.

Além disso, trataram sobre os controles de Antimicrobianos e o de Medicamentos de uso Médico Veterinário; o projeto “Nova Defesa Agropecuária” do MAPA; e a regulamentação de assuntos inerentes as profissões, que algumas vezes carecem de pareceres técnicos de profissionais.

Inicialmente o Secretário Luís Rangel tratou da questão do receituário Médico Veterinário e esclareceu que ainda há o que se disciplinar. “Eu acho que ainda temos liberdade para discutir este assunto sem ruídos de outras instituições.”

Em seguida o Secretário esclareceu a posição do MAPA a respeito da criação de normas inerentes a atuação dos profissionais. “A construção de normas que vão no sentido de fortalecer o Méd. Vet. como autoridade que faz o diagnóstico, que faz a recomendação terapêutica ou de produção está na minha mão, mas eu preciso ser provocado para eu dar encaminhamento na medida que vocês me derem subsídios”. Pontuou a necessidade de pareceres técnicos profissionais para legitimar os pedidos perante o órgão.

O projeto Nova Defesa Agropecuária

Na oportunidade da visita Luís Rangel divulgou o trabalho do MAPA no sentido de modernizar a Defesa Agropecuária do órgão, por meio de um projeto chamado “Nova Defesa Agropecuária”. Trata-se da construção de um arcabouço legal moderno, de modo a atualizar as normas vigentes que são bastante antigas. “O setor público não dá conta de abarcar o modelo desenvolvido na década de 70. Há quanto tempo tentamos realizar um concurso? Quando conseguimos são poucas as vagas. ‘Um sonrizal no oceano’” E complementa que a quantidade de profissionais contratados é pequena e insuficiente para a demanda do órgão.

O projeto tem como objetivo modernizar o trabalho da Inspeção como muitas entidades de classe.

Por sua vez, o presidente do CRMV-DF, Laurício Monteiro da Cruz, deixou clara a posição da entidade em participar das discussões para colaborar com o aperfeiçoamento das normas inerentes aos profissionais Médicos Veterinários e Zootecnistas do Distrito Federal.

todos

 

 

Assessoria de Comunicação Social do CRMV-DF

A primeira etapa da campanha de vacinação obrigatória contra febre aftosa iniciou nesta terça-feira (1º/5) no Brasil. Até 31 de maio, deverão ser vacinados 200 milhões de cabeças de bovinos e búfalos, de todas as faixas etárias, de grande parte dos estados brasileiros, além do Distrito Federal.

Em três estados do país, a vacinação contra a febre aftosa tem um calendário diferenciado. Santa Catarina é o único estado sem a obrigação, por já ser livre de febre aftosa “sem vacinação”. O estado foi a primeira zona livre de febre aftosa “sem vacinação” no Brasil reconhecida pela OIE.

No Amazonas, a campanha começou em 15 de março. Em Roraima e Rondônia, começou nos dias 1º e 15 de abril, respectivamente.

Essa diferenciação nas datas ocorre de acordo com as condições climáticas e de sistemas de produção nessas localidades. Nos estados do Acre, Espírito Santo e Paraná, somente serão vacinados os animais com até 24 meses.

Na segunda etapa da campanha, em novembro, a maioria dos estados também passará a imunizar os animais com essa idade, de acordo com o calendário oficial.

Vacinação

A vacinação é obrigatória para todo o rebanho e os criadores que não cumprirem a obrigação podem ser autuados e multados. O produtor também fica impedido de comercializar, enquanto não regularizar a situação. O criador que, eventualmente, observar algum tipo de lesão vesicular ou animais babando e mancando (suspeita de febre aftosa) deve comunicar imediatamente o serviço veterinário oficial.

Se os auditores fiscais constatarem que o rebanho não foi vacinado, o produtor poderá responder um processo. O atraso na comunicação implica na impossibilidade de emissão da Guia de Trânsito Animal (GTA), por um período mínimo de 30 dias.

Fonte: Assessoria de Comunicação Social do CFMV

Médicos Veterinários reuniram-se ontem (25), no UniCEUB para esclarecer dúvidas sobre a operação do SIPEAGRO, o sistema utilizado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA para registro e cadastro de Estabelecimentos e Produtos Agropecuários, em todo o país. O Fiscal Agropecuários e Médico Veterinário Egon Vieira da Silva conduziu as orientações de funcionamento do sistema. O evento foi realizado pelo CRMV-DF com a parceria do UniCEUB. Representaram o conselho o Secretário-Geral, Roberto Gomes Carneiro e os conselheiros Rafael Silva de Souza e Marina Zimmerman Galvão.

DSC 0159 DSC 0170

Segundo a Instrução Normativa nº 35 de 2017 o sistema será de uso obrigatório a partir de janeiro de 2019 como ferramenta para a realização e acompanhamento dos Processos Administrativos de Fiscalização.

Segundo Egon, o evento foi bem proveitoso. “O papel do Ministério não é só publicar normas, mas também prestar esclarecimento para aquilo que faz a sociedade.” E complementou sobre o funcionamento do sistema “Duvidas existem. Todo sistema tem uma fase de implantação e depois ele entra em uma rotina.” Na saída da palestra, alguns participantes comentaram sobre a facilidade de usar o SIPEAGRO.

Em Balanço sobre o evento, o conselheiro do CRMV-DF, Rafael Silva Souza, destaca que a participação foi positiva, já que fizeram simulações de cadastros de profissionais, de estabelecimentos, notificações de aquisição de produto, emissão de receitas médicas a serem entregues aos proprietários. “O sistema funcionou, tivemos a participação de mais de 80 médicos veterinários do Distrito Federal, com muitas perguntas, a participação foi bem efetiva, tanto que o evento que era previsto ter um intervalo e seguiu ininterruptamente” justificou Rafael sobre a participação dos colegas.

 

A importância do controle de substâncias

Egon explica sobre a importância do controle de substâncias que compõem medicamentos controlados de uso veterinário. Segundo ele, o Brasil tem uma obrigação perante a Organização Mundial da Saúde, que controla o fluxo mundial destes produtos. A parte que é usada pelo país, seja na linha de produtos de uso humano, quanto na de uso animal, têm que ser monitoradas para a segurança da sociedade. “O MAPA tem que prestar conta disso a ANVISA. Mas hoje, a gente ainda não consegue chegar próximo a um número real”. Ele explica que o sistema foi criado para tentar melhorar o controle do fluxo das substâncias.

O Especialista em Anestesia e ex-presidente do CRMV-DF, o Médico Veterinário Ricardo Miyasaka de Almeida também fez um balanço positivo do evento e ressaltou a importância do controle dos medicamentos produzidos com substâncias controladas. “Os beneficiados serão os médicos veterinários e a sociedade.” No entanto, ele pontuou que ainda não ficou claro como será o uso de medicamentos de uso humano que os médicos veterinários fazem uso. “Vários anestésicos são fabricados por laboratórios de medicamentos de uso humano que a gente aplica na veterinária. Ainda não ficou claro como será esse controle.” questionou Ricardo.

O SIPEAGRO é o Sistema Integrado de Produtos e Estabelecimentos Agropecuários implantado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA, que segundo a Instrução Normativa nº 35 do órgão, tornará obrigatório o seu uso a partir de 1º de janeiro de 2019.

 

Serviço

Acesse o SIPEAGRO através do link:

http://sistemasweb.agricultura.gov.br/pages/SIPEAGRO.html

Dúvidas sobre o funcionamento podem entrar em contato com a equipe do SIPEAGRO através dos telefones e e-mails:

3218-2828 e pede para falar com a equipe de Produtos Veterinários

Ou pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 Na última sexta-feira 27 de abril o CRMV-DF promoveu um Work Shop sobre Deontologia para professores de Medicina Veterinária e Zootecnia das faculdades do Distrito Federal, no auditório da FAPE, em Brasília. O objetivo foi esclarecer dúvidas dos professores mostrando como funciona, na prática, aquilo que os mestres explicam aos alunos no dia a dia em sala de aula, insclusive com um julgamento simulado, para melhor ilustrar uma sessão de julgamento. O encontro foi dirigido pela Conselheira Efetiva, Marina Zimmermann e Rafael da Silva Souza, além de colaboradores da entidade.

Julgamento simulado

Inicialmente foi organizada uma roda de conversa sobre a aplicação do código de ética das profissões, como ocorrem os processos dentro da entidade, explicando o trâmiteite da denúncia ao julgamento. E por fim a simulação de um julgamento e o seu rito.

Segundo o Médico Veterinário e professor Francisco Oliveira que ministra Deontologia e Fisiologia no UniCEUB, o Work Shop foi uma boa oportunidade de esclarecer dúvidas. Ele acredita que a disciplina é de grande importância para preparar os alunos, quando estiverem formados e atuando. “É importante para a conscientização dos alunos, para quando eles saírem da faculdade, já se formarem com a consciência que o Conselho existe, que ele tem uma função e que uma dessas funções é o julgamento da conduta ética dos profissionais”.

Francisco também pontuou a importância da interpretação do texto das resoluções, já que os documentos são acessíveis, mas as vezes aparecem dúvidas quanto a interpretação e o Work Shop possibilitou conversar com o Assessor Jurídico do CRMV-DF, Weber Teixeira Neto.

Mas o encontro foi além. Um julgamento foi simulado, onde foi colocado um processo ético hipotético, criado exclusivamente para o evento. O local foi preparado da mesma forma que um julgamento real, com a mesa diretora, as partes envolvidas, em lados opostos e o corpo de conselheiros no meio. No decorrer do rito, foi sendo esclarecida como é feita a apresentação do caso, o voto dos conselheiros e a decisão final. No decorrer do processo cada um interrompeu e fez perguntas.

 

Assessoria de Comunicação Social do CRMV-DF

Brasília recebe o 49 Fórum Nacional das Entidades de Zootecnistas, realizado na sede da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do Rio São Francisco – CODEVASF, nos dias 18 a 20 de abril. Estiveram presentas na cerimônia de abertura o presidente da Associação Brasileira de Zootecnia, Zootecnista Marinaldo Divino Ribeiro, o presidente do CFMV, Médico Veterinário Francisco Cavalcanti de Almeida, o presidente do CRMV-DF, Laurício Monteiro da Cruz.

Mesa de abertura

Além de parabenizar a ação da entidade, Laurício destacou o trabalho do Tesoureiro do CRMV-DF, o Zootecnista Emanoel Elzo Leal de Barros que representa a sua profissão na Diretoria da entidade além de colaborar com a boa convivência entre a Medicina Veterinária e a Zootecnia. “Os conselhos hoje são mais abertos do que antes e cada vez mais nós devemos proferir o discurso de unicidade. Eu trabalho no Sistema Único de Saúde e lá é muito comum trabalharmos de forma integrada” destacou a importância do trabalho conjunto, não só da medicina veterinária e da zootecnia, mas também da engenharia agronômica.

Segundo o presidente da ABZ, o fato do presidente do CFMV representa uma importante abertura para acesso dos profissionais “Não temos registro de um presidente de CFMV comparecer a algum de nossos eventos. A presença do Dr Francisco aqui hoje é um marco.” Mas não só por este motivo, completou Marinaldo, “Temos vários profissionais inseridos em diversas Comissões e Câmaras técnicas, participando de discussões importantes para as profissões, isso demonstra claramente a mudança de tratamento com nossos profissionais.”

Por sua vez, o presidente do CFMV, Francisco pontou a importância da integridade dos profissionais no sistema. “A nossa missão é institucional. Refizemos e recompomos as Comissões de Zootecnia no CFMV. Este ano, também criamos a Câmara Técnica de Zootecnia. Vamos caminhar juntos para a produção de alimentos de qualidade, fortalecendo o agronegócio. Somos um tripé: médicos veterinários, zootecnistas e agrônomos”, declarou o presidente do CFMV durante a abertura.

Ano emblemático

Este ano é carregado de motivos para a zootecnia comemorar, são 50 anos da lei 5.550/1968, 13.596/2018 que institui o “Dia Nacional do Zootecnista” a ser celebrado no dia 13 de maio e ainda o aniversário de 30 anos da ABZ. Segundo o presidente da associação, a profissão é organizada e cheia de pessoas empenhadas em seu desenvolvimento. “Uma zootecnia que é forte, organizada, que tem instituições preocupadas, que militam e que trabalha em benefício do seu desenvolvimento, seja enquanto ciência, seja enquanto profissão.” Explica o presidente da ABZ, sobre o trabalho da entidade.

Adalto Ferreira Barcellos, conselheiro efetivo do CRMV-MG e membro da Comissão Nacional de Responsabilidade Técnica do CFMV relata qual a sua expectativa diante o cenário de renovação no sistema. “É a melhor possível. Diante das ações que já estão sendo promovidas pela nova diretoria, abre-se um canal muito importante para discutir as duas profissões de forma paritária.” Ele acrescenta que também alimenta a ideia de que daqui para frente a tendência que o CFMV se renove a cada eleição.

Visitas ilustres no CRMV-DF

Aproveitando a estadia em, visitaram a sede do CRMV-DF os Zootecnistas, Vice-Presidente do CRMV-RO, Zootecnista Edna Florinda Benevenuto, O Conselheiro Efetivo do CFMV, Wendel Lima e o Diretor Estadual da ABZ, no Piauí, Firmino José. O Tesoureiro e o Presidente do CRMV-DF, Zootecnista Emanoel Elzo Leal de Barros e Médico Veterinário Laurício Monteiro da Cruz receberam os colegas e fizeram as honras da casa.

O evento reuniu profissionais de todo o brasil, para discutir assuntos de importância para os Zootecnistas e para o sistema CFMV/CRMVs.

Forum Zoot Visitantes

Assessoria de Comunicação Social do CRMV-DF