Notícias

Publicada nesta segunda-feira (5/3), a Portaria nº 30, de 2 de março de 2018, designa os integrantes da (Conel/CFMV).

Entre as atribuições da comissão, está propor diretrizes para regulamentação da Medicina Veterinária e Zootecnia; revisar e propor a atualização e harmonização da legislação; apresentar posicionamento técnico e analisar as demandas e necessidades dos Conselhos Regionais de Medicina Veterinária (CRMVs); organizar o cadastro nacional de processos éticos profissionais instaurados, julgados e arquivados pelos CRMVs; levantar todos os processos éticos julgados pelo Sistema CFMV/CRMVs.

Confira a composição da Conel/CFMV:

Méd. Vet. Ismar Araújo de Moraes (CRMV-RJ nº 2753), Presidente;

Méd. Vet. Mitika Kuribayashi Hagiwara (CRMV-SP nº 0521);

Méd. Vet. Wirton Peixoto Costa (CRMV-RN nº 0309);

Zoot. Henrique Luis Tavares (CRMV-PR nº 1462/Z);

Méd. Vet. Camila Correa Jacques (CRMV-RS nº 7737);

Méd. Vet. Késia Alcântara Queiroz Pontual (CRMV-PE nº 2216); e

Méd. Vet. Rodrigo Antônio Bites Montezuma (CRMV-DF nº 1315).

 

Fonte: Assessoria de Comunicação do CFMV

O diálogo em prol de uma gestão mais eficiente marcou a primeira Câmara Nacional de Presidentes (CNP) do Sistema CFMV/CRMVs do ano. O encontro, realizado entre os dias 21 e 23 de fevereiro, na sede do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), em Brasília (DF), marcou o início da gestão 2017-2020, e dá continuidade ao plano de integração proposto pela diretoria e conselheiros eleitos para o triênio 2017-2020.

Durante o evento, os presidentes e representantes de cada um dos 27 Conselhos Regionais de Medicina Veterinária (CRMVs) receberam a oportunidade de falar sobre as ações desenvolvidas em suas regiões, além de apresentar aos colegas suas sugestões para a melhoria do Sistema e para o alcance da valorização profissional.

A proposta de fomentar um debate em nível nacional foi aprovada pelos participantes da CNP, que aproveitaram para dar visibilidade aos temas que mais interessam aos regionais, e para traçar estratégias de ação de forma integrada.

Confira os depoimentos dos representantes dos Conselhos Regionais presentes sobre esse encontro histórico:

André Luiz Teixeira de Carvalho, presidente do CRMV-AC

“Ficamos um pouco surpresos com o estilo de trabalho, que permitiu a apresentação de todos os regionais. Mas vemos de forma positiva a proposta do novo presidente, que está bem interessado em fazer mudanças para a Medicina Veterinária e a Zootecnia. Acho que a positividade desse encontro vai nos permitir avançar”.

José Renato Ribeiro, presidente do CRMV-AP

“Com tão pouco tempo de gestão, o resultado já é gigante. O nosso regional, de menor arrecadação do país, encontrou nessa gestão um amparo muito grande. Fico emocionado, pois houve um atendimento digno para um estado pequeno”.

Haruo Takatani, presidente do CRMV-AM

“Só temos a parabenizar a nova gestão. Observamos que as dificuldades dos regionais são quase todas parecidas e temos que entender o que realmente se passa em cada estado para fazer um planejamento. Esperamos poder avançar para o fortalecimento do Sistema”.

Maria Antonieta Martorano Priante, presidente do CRMV-PA

“Aprendi e anotei sugestões que posso aplicar no meu regional, conversando com presidentes dos estados para ver como podem nos ajudar. Minha apresentação foi bem positiva e surpreendeu aos demais regionais o tamanho do nosso estado e o trabalho que temos com a fiscalização.”

Júlio Cesar Rocha Peres, presidente do CRMV-RO

“Essa primeira Câmara de Presidentes da nova gestão tem sido uma maneira muito inteligente de nos conhecermos. Nós percebemos as diversas realidades de um Brasil enorme, e como elas se somam em alguns pontos, apesar das diferenças. Acho extremamente importante que nós presidentes saibamos quem somos, até mesmo na hora de propor resoluções.”

Francisco Edson Gomes, presidente do CRMV-RR

“A oportunidade de cada conselho apresentar a sua realidade para que todo o Sistema foi uma surpresa agradável. Isso será muito bom para a administração do Conselho Federal conhecer a realidade de todos os conselhos, e traçar políticas para que nós possamos efetivamente avançar cada vez mais para o bem da Medicina Veterinária e da Zootecnia do Brasil”.

Railda Marques Lima Felipe, presidente do CRMV-TO

“A atitude do presidente me deixa bastante confiante de que os três anos de mandato vão ser excelentes. Expus a realidade de nosso conselho, que é pequeno, e as dificuldades enfrentadas, e acredito que consegui repassar aos colegas e ao presidente o cenário atual”.

Thiago Augusto de Moraes, presidente do CRMV-AL

“A iniciativa da nova gestão em fazer essa câmara e dar oportunidade para os regionais exporem suas situações atuais é de fundamental importância para que os presidentes, diretores e conselheiros assimilem as dificuldades e tracem metas para o Brasil todo. Isso é muito importante para o Sistema”.

Ana Elisa Almeida, presidente do CRMV-BA

“Essa primeira câmara da nova gestão, para nós presidentes, foi uma experiência maravilhosa. Porque foi uma maneira bastante democrática de a gente apresentar, de forma bastante clara, aberta e sem receio, como nós estamos. Isso é muito importante para nós que estamos lá na ponta, lidando com os profissionais e com empresários”.

Célio Pires Garcia, presidente do CRMV-CE

“Estamos aqui pela iniciativa da atual gestão do CFMV de conhecer todas as estruturas dos conselhos e isso é um ponto essencial para que se possa fazer um planejamento da administração e da gestão que venha atender a todos os anseios da Medicina Veterinária e da Zootecnia brasileiras”.

Francisca Neide Costa, presidente do CRMV-MA

“A CNP foi um momento ímpar de conhecer a realidade de todos os nossos conselhos. Foi mostrado um diagnóstico e conseguimos enxergar o que cada um está fazendo de bom, e também as suas dificuldades. Juntos aprendemos e trocamos experiências, e para mim esse é o principal ponto da CNP”.

Domingos Fernandes Lugo Neto, presidente do CRMV-PB

“A Câmara foi muito valiosa, pois envolveu um processo democrático em que todo mundo teve voz e palavra. Eu acho que isso só tem a melhorar o Sistema e trazer mais união. Se todos conversarem e se falarem conseguimos chegar a um consenso. Isso é o que a profissão espera para ter um rumo traçado: ter voz, ouvido, e chegar a um denominador comum”.

Marcelo Weinstein Teixeira, presidente do CRMV-PE

“Acredito que o que foi discutido trará desdobramentos para as profissões e parabenizo esse começo de trabalho da gestão pela forma como o processo tem sido feito. O primeiro passo sempre é ouvir as partes”.

Ivete Lopes de Mendonça, vice-presidente do CRMV-PI

“Essa é a segunda câmara que eu participo como vice-presidente, e pude observar agora uma câmara bastante diferente e participativa. Temos visto uma sintonia muito boa, e isso faz a diferença. É uma câmara em que estamos realmente discutindo, e que nos está dando a oportunidade de nos conhecermos”.

Wirton Peixoto Costa, presidente do CRMV-RN

“A Câmara é fundamental para uma maior integração e uniformização do Sistema. Estou com uma boa expectativa, e agradecido por essa oportunidade de conhecer todos os regionais. Com as propostas objetivas e levadas adiante, favorecemos a sociedade, os produtos e serviços que prestamos”.

Rubenval Francisco de Jesus Feitosa, presidente do CRMV-SE

“Estou muito feliz porque esse é um novo Norte, alicerçado na democracia, no respeito, na tranquilidade, na paz, na sabedoria e na tolerância. Todos nós estamos nos sentindo em casa”.

 

Roberto Gomes Carneiro, secretário-geral do CRMV-DF

“Foi a primeira vez que participei e a experiência foi muito boa, por termos o direito de falar e ouvir, a oportunidade não só de expor, mas de criticar, pedir auxílio, verificação e cobrança ao CFMV e, principalmente, termos o direito de sermos ouvidos”.

Olízio Claudino da Silva, presidente do CRMV-GO

“O que vemos é que os anseios dos regionais são basicamente os mesmos, em prol do melhor para a profissão, dos profissionais e dos conselhos. A minha impressão é a melhor possível, pois há uma uniformidade de pensamentos”.

 

Verton Silva Marques, presidente do CRMV-MT

“Apesar de conhecermos algumas particularidades dos regionais, as apresentações tiveram uma riqueza de detalhes, o que demonstrou com bastante clareza as diferenças de alguns estados. Mostramos para a diretoria e conselheiros do CFMV as nossas questões. Inclusive, essa foi uma inovação fantástica nesta primeira edição: os conselheiros federais estarem presentes”.

 

João Vieira de Almeida Neto, presidente do CRMV-MS

“É visível a diferença da relação do Conselho Federal com os regionais. A exemplo, essa Câmara de Presidentes, onde só temos temas administrativos, que é o que nos interessa. Vimos aqui que teremos condições de trabalhar de forma unificada. Somos um sistema, e temos de funcionar como um sistema”.

José Carlos Landeiro Fraga, presidente do CRMV-ES

“É a primeira CNP da nova gestão, e tudo que começa sempre tem muito otimismo. Isso é bom para a Medicina Veterinária e Zootecnia. Na apresentação do meu estado não nos furtamos de dar alertas aos demais presidentes sobre temas em comum. Minha avaliação da Câmara é muito positiva”.

 

Bruno Divino Rocha, presidente do CRMV-MG

“As realidades são muito distintas entre cada estado, e as oportunidades e ferramentas para solução dos problemas vão aparecendo de forma diferente em cada um. Esse momento de compartilhar dificuldades e soluções é muito importante para ter ideias e agir de forma unida. Formamos uma teia que se torna cada vez mais robusta, e as soluções vêm como consequência”.

Romulo Cezar Spinelli Ribeiro de Miranda, presidente do CRMV-RJ

“Achei bastante positiva a integração dos Conselhos Federal e Regionais de Medicina Veterinária proposta pelo CFMV. Esta troca de experiência é muito benéfica para unificar os objetivos do Sistema CFMV/CRMVs em prol da valorização das profissões que representamos. Como sugestão, acredito que a CNP poderia ocorrer no período de uma semana, além de ser disponibilizado mais tempo para a exposição de cada Conselho Regional.”

Mario Eduardo Pulga, presidente do CRMV-SP

“Nós temos de ter um sistema único, em que todos os regionais falam a mesma linguagem, que entendam a problemática da mesma maneira. Nessa Câmara dos Presidentes nós vemos um clima completamente diferente. Vejo com muita alegria essa mudança, acho que três anos será pouco para tudo o que temos de fazer, mas é uma semente para o que pode vir daí para frente”.

Rodrigo Távora Mira, presidente do CRMV-PR

“É a primeira vez que participo, na minha primeira gestão na diretoria do Conselho do Paraná, e o que eu percebo é uma união muito grande, de todos os presidentes dos regionais e do Federal. Embora haja divergência em alguns assuntos, o sentimento é um só, da valorização profissional, de trabalhar para o colega”.

Air Fagundes dos Santos, presidente do CRMV-RS

“Passei grande parte da minha vida como profissional com pouco espaço para opinar. Sinto que isto está mudando, e que todos serão ouvidos. Saio de Brasília cheio de esperanças de que desta vez as coisas vão mudar”.

Marcos Vinícius de Oliveira, presidente do CRMV-SC

“Mostramos aos colegas presidentes dos Conselhos Regionais e também para a diretoria do Conselho Federal e a Plenária as questões que mais nos incomodam no dia a dia, a dificuldade que a gente enfrenta, e os nossos anseios para os próximos três anos. Aqui, encontramos um ambiente muito bom para a discussão, e percebemos que os problemas são comuns”.

Fonte: Assessoria de Comunicação do CFMV

Conhecimento e experiências agregam e aperfeiçoa o ser humano e as entidades por ele organizada. Em busca de aperfeiçoamento a presidente do CRMV-PA Méd. Vet. Maria Antonieta Martorano e sua Secretária-Geral, Terezinha Megale Rossetti visitaram a sede do CRMV-DF, onde foram recebidas pelo seu Secretário-Geral, Médico Veterinário, Méd. Vet Roberto Gomes Carneiro e seu Tesoureiro, Zootecnista Emanoel Elzo Leal de Barros, na manhã do dia 19 de fevereiro, em Brasília.

Visita CRMV PA

No encontro os diretores trocaram informações sobre como conduzir os processos éticos, fiscalização e a rotina administrativa dos conselhos.

A reunião se deu em consequência da Câmara Nacional de presidentes a ser realizada pelo CFMV, em sua sede em Brasília, agendada para os dias 21 a 23 de fevereiro.

Assessoria de Comunicação Social do CRMV-DF

O Conselho Federal de Medicina Veterinária inaugura novo momento histórico da Medicina Veterinária e da Zootecnia com a reunião da Câmara Nacional de Presidentes da gestão do Médico Veterinário Francisco Cavalcanti de Almeida. O encontro teve início na manhã da quarta-feira (21) e terminará na sexta-feira (23) deste mês. O CRMV-DF enviou, os Médicos Veterinários Roberto Gomes Carneiro, Saulos Borges Lustosa, Secretário-Geral e Vice-Presidente, respectivamente, como seus representantes.

Saulo Borges Lustosa Foto: Ascom CFMV

Em seu discurso de abertura, Francisco enfatizou que o CFMV é a casa do Médico Veterinário e do Zootecnista e que aquele momento era a oportunidade que cada um teria de expor a realidade vivida em cada estado, seus problemas, suas experiências. “Eu tive a oportunidade de visitar algumas regionais e me decepcionei com o que vi. Algumas sedes em situações precárias. Nossa vontade é que, de agora em diante nós possamos fazer diferente” explicou o presidente do CFMV aos presentes na reunião.

Além de reunir representantes de todos os estados, uma ilustre presença abrilhantou ainda mais a reunião. O Ministro do TCU, que também é Médico Veterinário, Aroldo Cedraz, “É uma honra poder, como colega, comparecer a este encontro para dar continuidade ao que entendemos como importante para os avanços institucionais”, afirmou o ministro que falou sobre “Governança Digital: Desafios da Administração Pública diante das inovações tecnológicas e anseios sociais”.

A Câmara Nacional de Presidentes reúne os representantes dos CRMV’s de todo o país e proporciona uma ótima oportunidade de integração do Sistema CFMV/CRMV’s no fortalecimento da Medicina Veterinária e da Zootecnia de todo o país.

Assessoria de Comunicação Social do CRMV-DF com informações do CFMV

Ao longo dos anos observamos as conquistas trabalhistas por meio lutas. Entre as categorias profissionais, cada uma, organizada por sindicatos e associações também alcançaram objetivos de interesse pertinente a cada área de atuação. A Zootecnia, por sua vez, não fugiu desta regra e ainda hoje busca seus objetivos, com o auxílio da Associação Brasileira de Zootecnistas – ABZ, que reúne profissionais de todos os estados, por meio de Diretores Regionais. Em Brasília-DF, o seu representante é o Zootecnista Emanoel Elzo Leal de Barros, que também é Tesoureiro do CRMV-DF.

Azoo DF e CRMV DF

Zootecnista Emanoel Elzo Leal de Barros e Médico Veterinário Laurício Monteiro da Cruz

Ele afirma ter uma expectativa positiva para o futuro da profissão, ainda mais com a troca de diretoria do Conselho Federal de Medicina Veterinária e a transformação política da profissão para os próximos anos. “Eu acredito que as coisas vão mudar a partir de agora. O Francisco já vêm cumprindo algumas promessas. Recentemente foi recriada a Câmara Técnica de Zootecniae além disso temos mais colegas zootecnistas inseridos dentro das Comissões Assessoras do CFMV, inclusive com renovação de membros. Isso é de grande importância”, explicou Emanoel referindo-se as publicações recentes no Conselho Federal de Medicina Veterinária.

No Distrito Federal, em recente conversa com o presidente do CRMV-DF, Méd. Vet. Laurício Monteiro da Cruz, destacou a importância do estreitamento nas ações entre as entidades. “Aqui no DF nunca tivemos problemas de relacionamento. Sempre tivemos uma boa parceria com o CRMV-DF. Mas é sempre bom estarmos cada vez mais próximos para criarmos uma parceira cada vez mais forte, pois quem ganha são as duas profissões”, explicou Emanoel sobre a conversa entre as associações representantes de classe com o presidente do CRMV-DF.

Com relação as dificuldades enfrentadas pelas associações e a adesão de profissionais, o problema parece ser generalizado. No encontro entre presidentes das associações representantes de classe, realizado na sede do CRMV-DF, no dia 9 de fevereiro, outras associações também endossaram o coro. “Nós enfrentamos os mesmo problemas de conscientização dos colegas, da importância de trabalhar organizadamente, mas não é tão fácil convencer os colegas” explicou Emanoel.

Assessoria de Comunicação Social do CRMV-DF