Notícias

A Associação Brasileira de Zootecnistas – ABZ, une-se aos produtores rurais, as entidades representativas do setor pecuário, aos órgãos de controle e fiscalização governamentais e a justiça brasileira em defesa da garantia da comercialização de animais vivos como parte das operações do negócio da pecuária por entender que nos dias atuais nenhuma atividade de criação, manejo, transporte e abate de animais são desenvolvidas sem a devida observação das normas técnicas e internacionais de garantia do bem-estar animal. Não obstante, com a entrada na terceira fase da relação do homem com os animais, em que se compreende que os animais são seres sencientes, a ética passou a ser o princípio basilar desta nova ordem de relacionamento homem/animal, garantindo assim o aproveitamento dos animais para produção de alimentos destinados ao atendimento da condição de vida das pessoas com respeito à condição de existência dos mesmos.

Além disso, a ABZ também entende que não podem ser ativistas desconectados com a realidade do processo produtivo e de comercialização animal, que convivem diariamente com condições degradantes e de desconforto em situações precárias de transporte urbano, segurança, saúde e alimentação das populações menos favorecidas para citar alguns exemplos a ditarem procedimentos e regras adequadas para operações de comercialização animal de forma a causar em fato concreto danos ao bem-estar animal e prejuízo aos diferentes segmentos que compõem a cadeia da carne bovina.

Atenciosamente,

Zootecnista Marinaldo Divino Ribeiro

Presidente da ABZ

O Presidente da Associação Brasileira de Zootecnistas (ABZ) no uso de suas atribuições legais atribuídas e as prerrogativas estabelecidas no estatuto da entidade CONVOCA os representantes das Entidades Nacionais de Zootecnistas, diretores estaduais e conselheiros da ABZ para reunião ordinária conforme abaixo:

Dia: 18 a 20 de abril de 2018.
Hora: 08 às 17h (horário de Brasília).
Local: Auditório Avelino Costalonga – CODEVASF SGAN 601, Conj. I, Ed. Dep. Manoel Novaes. Brasília – DF

Ordem do dia:

1) Aprovação da ordem do dia;
2) Apreciação da Ata 48º Fórum Nacional de Entidades de Zootecnistas;
3) Informes;
4) Ações de comemoração dos 30 anos da ABZ e dos 50 anos da Lei 5.550/68;
5) Dinâmica de relação institucional de Sindicatos e Associações com a ABZ;
6) Marcos regulatório da Responsabilidade Técnica em Zootecnia;
7) O Sistema CFMV/CRMV´s e o Zootecnista na nova gestão;
8) Projetos de lei de interesse dos Zootecnistas;
9) Outros assuntos.

São consideradas entidades de Zootecnistas: os Sindicatos e as Associações de classe dos Zootecnistas nacionais; as representações nas diretorias executivas, conselhos fiscais e comissões do Sistema CFMV/CRMV`s; o Fórum Nacional de Coordenadores de Ensino de Graduação em Zootecnia; os Diretores Estaduais da ABZ; os órgãos suplementares e comissões de gestão da ABZ; as representações dos Zootecnistas nas Comissões, Órgãos, Comitês e Câmaras Técnicas de Instituições públicas e privadas; as representações de Zootecnistas na iniciativa privada; as coordenações de cursos de graduação em Zootecnia ou suas representações; as representações das Instituições de Ensino de graduação em Zootecnia; a Federação Nacional dos Estudantes de Zootecnia do Brasil; os Diretórios e Centros Acadêmicos; as Associações e Agremiações estaduais dos estudantes de Zootecnia presentes no território nacional.

Todos pela Zootecnia: juntos, somos mais fortes.

Brasília, 31 de janeiro de 2018.

Zootecnista Marinaldo Divino Ribeiro
Presidente da ABZ

(Para baixar a nota em PDF, clique aqui)

http://assets.abz.org.br/wp-content/uploads/2018/02/cartaz-49-forum-nacional-entidades-zootecnistas-225x300.jpg 225w, http://assets.abz.org.br/wp-content/uploads/2018/02/cartaz-49-forum-nacional-entidades-zootecnistas-768x1024.jpg 768w, http://assets.abz.org.br/wp-content/uploads/2018/02/cartaz-49-forum-nacional-entidades-zootecnistas-672x896.jpg 672w, http://assets.abz.org.br/wp-content/uploads/2018/02/cartaz-49-forum-nacional-entidades-zootecnistas-1038x1384.jpg 1038w" sizes="(max-width: 3780px) 100vw, 3780px" style="box-sizing: border-box; vertical-align: middle; max-width: 100%; height: auto; display: block; margin: 10px auto; font-size: 10.66px; line-height: 10px; clear: none; padding: 10px 0px;">

A Associação Mundial Veterinária (WVA) anunciou, recentemente, o lançamento do 2º Prêmio WVA de Bem-estar Animal. Um médico veterinário de cada uma das seis regiões onde a WVA está presente (América do Norte, América Latina, Europa, África, África do Norte / Oriente Médio e Ásia / Oceania) será selecionado para receber a premiação.  As indicações serão enviadas à associação pelas organizações-membro.

O  Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), integrante da WVA, quer receber da sociedade, entidades e profissionais sugestões de nomes para serem indicados a receber o prêmio. Se você conhece alguém que se destacou com iniciativas de bem-estar animal, mande um e-mail para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. até 25 de janeiro.

O e-mail deve conter dados completos do indicado (nome, endereço, telefone), currículo, e resumo sobre as contribuições no campo do bem-estar animal (artigos científicos, vídeos, envolvimento em projetos de bem-estar animal, outros reconhecimentos, etc.). As indicações serão analisadas pelo CFMV. 

Sobre o Prêmio

O objetivo da iniciativa da Associação Mundial Veterinária (WVA) é reconhecer e homenagear os profissionais que contribuem para a proteção e o bem-estar dos animais e que prestam serviços de excelência aos animais, aos proprietários, aos médicos veterinários e ao público.

Os médicos veterinários selecionados serão notificados pela WVA até 1º de março. A cerimônia de entrega do prêmio será em Barcelona, Espanha, de 5 a 8 de maio deste ano, durante o 34º Congresso Mundial de Veterinária. Os vencedores serão convidados a participar do evento com todas as despesas de viagem e hotel pagas e receberão de 5 mil euros como premiação. As inscrições incompletas e informações recebidas após o prazo serão automaticamente rejeitadas.

Assessoria de Comunicação do CFMV

Nos mais variados discursos sobre desenvolvimento, a educação sempre está pautada. É a partir dela que teremos profissionais desenvolvendo suas atividades plenamente em favor da sociedade e de seu progresso. Recentemente as Faculdades Integradas da União Educacional do Planalto Central – FACIPLAC receberam nota 4, em um uma variação de 1 a 5.

O desempenho foi apontado em um dos indicadores mais importantes do Ministério da Educação (MEC): o Índice Geral de Cursos (IGC). A nota é obtida com base na média das notas de todos os cursos de graduação.

A Coordenadora do curso de Medicina Veterinária, Daniela Ribeiro Guimarães Mendes explica que o seu trabalho está voltado, principalmente no acompanhamento da execução das diretrizes curriculares proposta para o curso. “O docente tem que trabalhar os conteúdos que são essenciais e que estão na DCN. E esse trabalho tem que ser voltado para o perfil de aluno que nós temos hoje.” E completa “Nós adotamos uma metodologia, onde o docente permite que o aluno participe da construção do conhecimento. É um conhecimento onde ele é um mediador”. Desta forma ela acredita conseguir um envolvimento maior dos alunos, com o aprendizado.

Daniela Coord. Faciplac

Gostar do que faz, segundo Daniela, ajuda a ter animo todos os dias em busca do aprimoramento profissional, que reflete no resultado final, que é a formação de profissionais. A professora Daniela é maranhense e se formou no ano 2000 na Universidade Estadual do Maranhão, com mestrado na UnB e trabalha na docência de ensino superior a 14 anos. Em seu relato pessoal, sempre sorridente, revela que não se imagina trabalhando em outro lugar, que não seja em torno da Medicina Veterinária.

Fonte: Assessoria de Comunicação Social do CRMV-DF, com informações da Faciplac

O Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) publicou nesta quinta-feira (14/12) a Resolução CFMV nº 1193, que regulamenta o registro e a anotação de Responsabilidade Técnica (RT) em apicultura. O texto dispõe sobre os deveres do médico veterinário  como RT e classifica de acordo com a atuação os estabelecimentos que processam, armazenam e expedem produtos de abelhas e seus derivados.

A resolução lista como atribuições do responsável técnico a garantia da qualidade dos serviços e produtos, além da orientação aos usuários e funcionários do estabelecimento sobre os pontos críticos de contaminação dos produtos e sobre as condições de armazenamento, de transporte e de estocagem durante a comercialização dos produtos.

Cabe ao RT, ainda, zelar pelo cumprimento dos aspectos técnicos e legais da atividade, acompanhando as inspeções higiênico-sanitárias oficiais, notificando às autoridades dos órgãos ambientais sobre ocorrências que causem impacto ao meio ambiente e informando às autoridades sanitárias sobre as doenças de notificação obrigatória, exóticas, emergentes e ocorrências de morbidade e mortalidade.

“A apicultura é uma atividade que vem crescendo e despertando o interesse dos profissionais. Então a resolução vem normatizar o setor”, explica Walter Miguel, integrante da Comissão Nacional de Especialidades Emergentes (CNEE/CFMV). “A grande dúvida era sobre quais seriam as responsabilidades do médico veterinário nesses estabelecimentos, e essa resolução deixa isso bem claro.”

Ao analisar o pedido de anotação de responsabilidade técnica, o Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV) deve levar em consideração o conhecimento e treinamento do profissional, assim como a compatibilidade entre as responsabilidades técnicas e de de horários e distâncias já assumidas pelo profissional pelo RT.

A norma também ressalta que o profissional responsável técnico  responde cível e penalmente por eventuais danos que possam ocorrer decorrentes de sua conduta profissional, uma vez caracterizada dolo ou culpa, seja por negligência, imprudência ou imperícia.

Categorias

A resolução também classifica os estabelecimentos em duas categorias. Uma delas engloba as unidades de extração e beneficiamento de produtos de abelhas, definidos como as instalações destinadas ao recebimento de matérias-primas de produtores rurais, à extração, ao acondicionamento, à rotulagem, à armazenagem e à expedição dos produtos de abelhas. Nessas locais, podem ou não ser realizadas as atividades de beneficiamento e fracionamento do material.

A outra classificação de estabelecimentos é a de entreposto de beneficiamento de produtos de abelhas e derivados, que são as instalações destinadas à recepção, à classificação, ao beneficiamento, à industrialização, ao acondicionamento, à rotulagem, à armazenagem e à expedição de produtos e matérias-primas pré-beneficiadas provenientes de outros estabelecimentos de produtos de abelhas e derivados. Para essa categoria, é facultativa a extração de matérias-primas recebidas de produtores rurais.

 Fonte: Assessoria de Comunicação do CFMV