Notícias

‘Integridade, honradez, plenitude moral em ações e decisões na pesquisa e no ensino devem ser elementos norteadores de todos os envolvidos no uso de animais, zelando pelo desenvolvimento ético da pesquisa e do ensino’. É o que determina a Resolução nº32/2016, do Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal (Concea), órgão do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI).

Publicada no Diário Oficial da União, na última quinta-feira (8/2), a nova norma estabelece as Diretrizes de Integridade e de Boas Práticas para Produção, Manutenção ou Utilização de Animais em Atividades de Ensino ou Pesquisa Científica.

O documento apresenta valores e princípios para as boas práticas na condução da pesquisa científica e uso de animais no ensino.

Confira os detalhes e o texto da resolução na íntegra, clique aqui.

Sobre o Concea

O Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal (Concea) é órgão integrante do Ministério da Ciência e Tecnologia, constituindo-se em instância colegiada multidisciplinar de caráter normativo, consultivo, deliberativo e recursal. Dentre as suas competências destacam-se a formulação de normas relativas à utilização humanitária de animais com finalidade de ensino e pesquisa científica, bem como estabelecer procedimentos para instalação e funcionamento de centros de criação, de biotérios e de laboratórios de experimentação animal.

O Conselho é responsável também pelo credenciamento das instituições que desenvolvam atividades nesta área, além de administrar o cadastro de protocolos experimentais ou pedagógicos aplicáveis aos procedimentos de ensino e projetos de pesquisa científica realizados ou em andamento no País.

Fonte: Assessoria de Comunicação do CFMV

O programa para castração de animais domésticos do governo de Brasília passará a ser feito por empresas veterinárias credenciadas. Gerido pelo Instituto Brasília Ambiental (IBRAM), o serviço, gratuito para os donos de cães e gatos, será custeado pelo poder público. O investimento previsto é R$ 100 mil com verba do próprio IBRAM.

As entidades interessadas em fazer as castrações podem concorrer ao credenciamento por meio de edital publicado no Diário Oficial do Distrito Federal desta sexta-feira (2). Fica a cargo da Coordenação de Fauna do Instituto a avaliação dos pedidos e o fechamento dos contratos. “É uma forma de ampliar e descentralizar o serviço”, aponta a chefe da unidade, a veterinária Ana Nira Nunes Junqueira. Segundo ela, a única opção anteriormente era ir ao Parque Lago do Cortado, em Taguatinga, onde ficava a estrutura do Castra Móvel.

Ana Nira destaca que a prioridade é para as pessoas cadastradas em fevereiro. De acordo com levantamento feito pelo órgão, há uma fila de aproximadamente 900 animais aguardando pelo procedimento. “Entretanto, é possível que muitos já tenham feito, desistido por algum motivo ou ainda que o bicho tenha morrido”, frisa. “Assim que for zerada essa fila, esperamos abrir um novo cadastro.”

A cirurgia tem o objetivo de evitar o aumento desenfreado da quantidade de animais domésticos, contribuindo, dessa forma, para a qualidade ambiental, para a saúde pública e para o bem-estar do próprio animal. Controlando a superpopulação de cães e gatos, diminuem problemas como abandono, transmissão de doenças, acidentes e ataques a pessoas.

Os credenciamentos têm validade de 12 meses, prorrogáveis por iguais períodos, limitados ao prazo de 60 meses. As empresas veterinárias aceitas serão pagas pelo serviço em até 30 dias após a apresentação da nota fiscal. São quatro valores para os procedimentos: R$ 80 (felinos machos), R$ 90 (caninos machos), R$ 110 (felinos fêmeas) e R$ 120 (caninos fêmeas).

Castra Móvel será usado em projetos da UnB

O serviço itinerante de castração de cães e gatos, Castra Móvel, foi interrompido em abril de 2016. Em um acordo de cooperação técnica com a Universidade de Brasília (UnB), a unidade atenderá em projetos de ensino da Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, sob a coordenação da professora Paula Diniz Galera. Além de contribuir para a esterilização dos animais, vai colaborar para a formação dos estudantes.

A parceria foi definida pelo Comitê Intersetorial da Política Distrital aos Animais, do qual participam diversos órgãos do governo de Brasília, como o IBRAM e a Secretaria do Meio Ambiente.

“O objetivo é promover campanhas e projetos de pesquisa tendo a comunidade do Distrito Federal como beneficiária”, explica a coordenadora Ana Nira Nunes Junqueira.

O programa já teve dois formatos. No primeiro deles, em 2014, foram operados cerca de 130 animais por meio de um acordo com a UnB. Na outra modalidade, de dezembro de 2015 a abril deste ano, mais 3 mil cães e gatos passaram pelo procedimento, custeado por verba proveniente de compensação ambiental no valor de R$ 330 mil.

 

Fonte: Ibram

No Distrito Federal, a vacinação de cães e gatos contra raiva começa neste sábado(27). Nessa data, apenas os animais da área rural serão imunizados. Serão disponibilizados 200 postos de vacinação, das 9h às 17h em toda a área rural.

Na área urbana, os donos de cães e gatos devem procurar os postos de vacinação em setembro, no sábado(10) ou também no sábado seguinte(17), das 9h às 17h, levando seus bichinhos com segurança, em especial os cães maiores com guias.

Em entrevista ao Revista Brasília nesta terça-feira(23), O Vice-Presidente do CRMV-DF e  médico veterinário da Diretoria de Vigilância Ambiental, Laurício Monteiro, lembrou que o último registro de raiva humana no Distrito Federal foi em 1978. “De lá para cá, com as medidas da vacinação todos os anos, permitiu que esse risco fosse diminuído, e é isto que a população tem que manter", reforça o veterinário.

Fonte: EBC - http://radios.ebc.com.br/revista-brasilia/edicao/2016-08/caes-e-gatos-campanha-de-vacinacao-comeca-neste-sabado-27-no-DF

 

A Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, unidade de pesquisa da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) em Brasília, DF, promove no período de 28/11 a 01/12 o cursoCriopreservação: congelamento e vitrificação de ovócitos e embriões bovinos. Voltado a profissionais das áreas de Medicina Veterinária, Biotecnologia, Biologia e outras afins, o curso tem como objetivo capacitar os participantes nas técnicas de criopreservação de ovócitos e embriões bovinos, a partir de conhecimentos práticos e teóricos dos procedimentos de congelamento clássico e vitrificação. Estão sendo oferecidas oito (8) vagas e as inscrições podem ser feitas na página da Unidade, pelo endereço: https://www.embrapa.br/recursos-geneticos-e-biotecnologia/curso-criopreservacao. Quem se inscrever até o dia 15/09, pode parcelar o valor em três vezes.

            O desenvolvimento de técnicas de criopreservação de embriões teve seu início na década de 1970, com o aumento de estruturas excedentes provenientes da coleta de embriões de animais de alto valor genético. Ao longo das décadas, os cientistas foram aprimorando essas técnicas, de forma a recuperar e manter a qualidade das estruturas crioconservadas.

            Hoje, a criotecnologia, associada a biotecnologias reprodutivas como a fecundação in vitro, a inseminação artificial e a transferência de embriões, é bastante utilizada para a preservação de material genético como sêmen, embriões e óvulos, visando à constituição de bancos de germoplasma animais. Enquanto na medicina humana, a meta é solucionar problemas reprodutivos ligados à infertilidade, na medicina veterinária, o objetivo principal é aumentar a produtividade de animais de alto valor genético e a conservação de recursos genéticos de raças ameaçadas de extinção.

            O curso vai contar com aulas teóricas, nas quais serão apresentados conceitos gerais da fisiologia ovariana bovina e embriologia, como: ovogênese; desenvolvimento embrionário inicial in vitro e in vivo; princípios da criopreservação e agentes crioprotetores; métodos de criopreservação; material e equipamentos necessários para criopreservação; avaliação de ovócitos e embriões pós-criopreservação; e mercado e uso comercial da criopreservação de ovócitos e embriões.

       Nas aulas práticas, os participantes serão capacitados em: criopreservação de embriões pelo congelamento lento; vitrificação de ovócitos e embriões pelo método OPS; vitrificação de ovócitos e embriões pelo método Cryotop; descongelamento e aquecimento; e avaliação de ovócitos e embriões após o aquecimento e descongelamento.

As inscrições já estão abertas e podem ser feitas no link: http://www.cenargen.embrapa.br/cursos. Garanta logo a sua e consiga boas condições de pagamento.

Mais informações pelo e-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

Fonte: Embrapa

 

Quem quiser desenvolver trabalhos voluntários na área ambiental pode participar de atividades ligadas à Secretaria do Meio Ambiente do DF. A decisão e todos os requisitos estão descritos em portaria publicada nesta sexta-feira (5) no Diário Oficial do Distrito Federal.

Perguntas Frequentes

O que é ser voluntário na Secretaria de Meio Ambiente?

É prestar serviços gratuitos e sem pretender ter vínculo funcional ou empregatício. É trabalhar na Secretaria de Meio Ambiente sem ressarcimentos de despesas e sem receber benefícios trabalhistas ou previdenciários.

O voluntário terá algum tipo de apoio para prestar seu serviço?

Sim. Se for autorizado pelo supervisor, poderá utilizar meios de transportes e equipamentos disponíveis para a realização de seu serviço.

Por que a Sema está chamando voluntários?

Para colaborar com as atividades desenvolvidas pela Sema no meio ambiente. E, dentro do Programa Brasília Cidadã, fortalecer a cultura de solidariedade, cidadania, paz social e de pertencimento à identidade, à memória e ao patrimônio público.

Como o voluntário poderá realizar seu trabalho?

Não haverá controle de ponto do serviço prestado pelo voluntário, mas haverá um dever de assiduidade e de cumprimento da carga horária definida em um termo de adesão ao programa.

O que é termo de adesão e quais são os compromissos exigidos?

O termo de adesão é um documento que estabelece os direitos e deveres do voluntário, esclarecendo o tipo de trabalho a ser prestado, carga horária semanal e/ou mensal e a estipulação do tempo de serviço necessário para que o voluntário possa receber o certificado.

Quem pode se candidatar?

Cidadão com idade mínima de 16 anos, que não tenha sido condenado por improbidade administrativa, crime contra a Administração Pública ou tenha sido desligado anteriormente de outro trabalho voluntário por violação das proibições e deveres expressos no Decreto Distrital nº 37.010, de 2015.

O que diz o decreto 37.010, de 2015 que possa orientar o candidato?

O decreto 37.010 diz que se considera serviço voluntário a atividade não remunerada, prestada por pessoa física a órgão ou entidade pública de qualquer natureza, integrante da estrutura administrativa do Distrito Federal, que atuem nas áreas de saúde, educação, esporte, lazer, cultura, recreação ou meio ambiente, assim como nas de assistência, promoção e defesa social e jurídica e demais áreas afetas às políticas públicas locais.

Quais profissões são necessárias?

As vagas poderão ser preenchidas por pessoas de qualquer formação acadêmica ou qualquer área de interesse, desde que exista necessidade em áreas de atuação que absorvam o serviço voluntário.

Como se inscrever?

O interessado deve fazer sua inscrição pelo e-mail  Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. e apresentar os seguintes documentos:

1 - Currículo resumido;

2 – Carta de Intenções para explicar porque quer trabalhar voluntariamente, em qual área pretende colaborar e descrever a forma de colaboração;

3 - Indicar a carga horária para oferecer o trabalho voluntário, distribuída semanalmente ou mensalmente, a depender da disponibilidade do interessado e da necessidade da secretaria.

Como será feita a seleção?

Caso tenha disponibilidade de vagas na Sema para a área na qual o voluntário quer trabalhar e seu currículo seja pré-selecionado, ele será chamado para uma entrevista. Mesmo que não haja vagas disponíveis, ele receberá uma resposta. A seleção, aceitação e supervisão do trabalho exercido pelo voluntário ficará a cargo dos dirigentes das áreas.

Quais as áreas disponíveis para o trabalho voluntário?

Assessoria Jurídico-Legislativa, Unidade Estratégica de Biodiversidade e Cerrado, Unidade Estratégica de Direitos Animais, Assessoria Especial de Clima, Grupo de Trabalho Brasília Solar, Centro de Excelência do Cerrado (Cerratenses).

Onde obter mais informações?

Programa Brasília Cidadã (http://www.portaldovoluntariado.df.gov.br/main/index.xhtml).

 

 

​Fonte: http://www.sema.df.gov.br/noticias/item/3143-tire-suas-d%C3%BAvidas-sobre-o-trabalho-volunt%C3%A1rio-na-sema.html